Blog de Notícias

A covid-19 é uma doença ocupacional? E como ficam os condomínios?

A doença ocupacional é a enfermidade produzida ou desencadeada pelo exercício do trabalho em determinada atividade. A lei equipara a doença ocupacional ao acidente de trabalho, gerando, na prática, estabilidade provisória do trabalhador pelo prazo de 12 (doze) meses após a cessação do auxílio doença acidentário. Isso significa dizer que se o trabalhador ficar afastado do trabalho por mais de 15 dias em decorrência da doença, adquirirá o direito a estabilidade e não pode ser dispensado do trabalho sem justa causa neste período.

Assim, a atual pergunta de ouro é: “e se o trabalhador que realiza o trabalho presencial no condomínio adquire a covid-19, será considerada doença ocupacional?”

O artigo 29 da MP 927/2020 assim dispõe: “Os casos de contaminação pelo coronavírus (covid-19) não serão considerados ocupacionais, exceto mediante comprovação do nexo causal”.

Esta medida provisória reforça o parágrafo 1º, alínea “d”, artigo 20, da Lei 8.213/91, que dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social, e que, em redação bem similar, retira das doenças ocupacionais as doenças endêmicas (e por similaridade, pandêmicas), salvo se houver a comprovação do nexo causal, a saber:

“§ 1º Não são consideradas como doença do trabalho:(…) d) a doença endêmica adquirida por segurado habitante de região em que ela se desenvolva, salvo comprovação de que é resultante de exposição ou contato direto determinado pela natureza do trabalho”.

Entretanto, o STF entendeu que o trabalhador não precisa comprovar nexo causal entre o trabalho e a contaminação da covid, deixando tal responsabilidade para o empregador. Ou seja, é o empregador quem deve comprovar que o empregado não adquiriu a doença no ambiente de trabalho.

Assim, respondendo ao questionamento anterior, no caso de trabalhador do condomínio adquirir a covid (seja ele próprio ou de terceiros), e desde que esteja trabalhando presencialmente, deverá o condomínio possuir a comprovação que adotou todas as medidas de segurança para evitar a contaminação, e portanto, que não existe nexo causal entre a contaminação e o trabalho.

Essa comprovação se dá pela participação ativa na prevenção da contaminação, por meio de adoção de regras de controle de acesso, reforço nas medidas de higiene pessoal e do ambiente, fornecimento de equipamento de proteção individual, ou seja, tomado todas as medidas de proteção de saúde e segurança do trabalhador e das pessoas que circulam pelos ambientes coletivos.

Recomendamos, então, disponibilizar papéis toalha, sabonetes líquidos ou detergentes e álcool em gel 70%, estabelecer a obrigatoriedade dos condôminos e trabalhadores no que tange ao uso da máscara facial para circulação nos ambientes comuns do condomínio, com ampla divulgação das regras por comunicados fixados em locais de fácil visualização, informativos, e-mails e outros meios disponíveis ao síndico. Tudo devidamente fotografado e documentado.

O fornecimento das máscaras aos trabalhadores deve ser realizado mediante recibo e com a orientação expressa que o desrespeito a regra da utilização do equipamento será passível de punição por advertência, suspensão ou até justa causa, avaliando caso a caso.

Considerando que a atual realidade de pandemia é inédita, a discussão sobre configuração da doença ocupacional é inevitável e deverá ser analisada individualmente, mas é indiscutível que o condomínio deve adotar todas as medidas de prevenção desde já, a fim de minimizar os riscos de futuras discussões trabalhistas na justiça.

Notícia Anterior
Pandemia do coronavírus provoca aumento da desocupação de imóveis comerciais no Rio
Próxima Notícia
Justiça do DF condena dono de apartamento a indenizar vizinha por transtornos de obra na pandemia

Últimas Notícias

Menu
error: Conteúdo Protegido !!
X