Blog de Notícias

Condomínio pós pandemia: limpeza condominial

Quais as lições que podemos tirar de tudo que vivemos durante a pandemia do coronavírus? Como dizem, se sai melhor das crises quem vê nelas também algumas oportunidades. Em relação à limpeza condominial e higienização das áreas comuns, algumas rotinas devem permanecer apesar da flexibilização no pós-pandemia.

Os condomínios que adotaram novas estratégias de limpeza no combate ao covid-19 puderam perceber que há alguns esforços nos quais vale a pena continuar investindo.

Afinal, não há somente o coronavírus ameaçando a saúde e o bem-estar na comunidade condominial.

A dengue e outras doenças infecciosas devem ser evitadas. Algumas tendências estavam em andamento e foram aceleradas. Outras começam a ser implementadas com a chegada da pandemia.

Você sabia que alguns materiais de limpeza, como o álcool líquido e em gel vêm sendo usados cerca de 7 vezes mais do que o utilizado em anos anteriores a 2020?

O uso correto de produtos e suas respectivas quantidades recomendadas devem estar na pauta dos responsáveis pela limpeza condominial.

Nos condomínios, todo cuidado é pouco

A preocupação com a limpeza apropriada nos locais de grande circulação e dos objetos constantemente tocados no dia a dia de um condomínio precisa estar sempre presente.

Os procedimentos devem ser estabelecidos de forma clara e cumpridos.

Para garantir a eficiência, a própria previsão orçamentária do condomínio deve incluir recursos financeiros específicos para a compra dos materiais e para todos os cuidados especiais necessários. Há algumas ações e decisões tomadas durante a pandemia que devem ser reforçadas.

Vieram para ficar. E tanto moradores, quanto o síndico e os funcionários devem estar conscientes disso.

No novo cenário, após o susto maior causado pelo crescimento rápido e inesperado do coronavírus entre nós, é hora de intensificar a limpeza condominial para garantir que não haja retrocessos e nem o surgimento de novas epidemias e de outros problemas comuns em condomínios.

Limpeza condominial: O que fazer no pós-pandemia
Álcool em gel
  • Os dispensers de álcool em gel colocados em pontos estratégicos do condomínio devem permanecer. Sempre que os moradores chegarem da rua e também os visitantes podem higienizar as mãos antes de circular pelos elevadores e em outros locais de comum acesso;
Desinfecção constante
  • A limpeza e a desinfecção de brinquedos, equipamentos de ginástica, botões do elevador, maçanetas das portas de entrada e das garagens, leitores de biometria, corrimão de escadas, caixas de correios e portas corta-fogo, entre outros, devem continuar passando por sessões mais frequentes ao longo do dia;
EPIs
  • O uso de óculos de proteção, máscaras, uniformes adequados, luvas e outros EPIs (equipamentos de proteção individual) por parte dos funcionários deve permanecer. Da mesma forma, as recomendações e os treinamentos específicos para a equipe da limpeza, que devem ser contínuos;
Funcionários
  • Se no planejamento de limpeza do prédio, se perceber que o atual quadro de funcionários que fazem a limpeza não é suficiente pra dar conta dos novos procedimentos, vale avaliar se não é necessário a contratação de mais gente. Ou estudar a possibilidade de terceirizar os serviços;
Campanhas
  • Campanhas de higiene e prevenção a doença também devem ser periódicas. Tudo para conscientizar sobre a importância do papel de todos os envolvidos para a preservação da vida. A contribuição de todo mundo continua sendo fundamental em prol do coletivo;
  • Dentro de cada unidade, é preciso manter os ambientes limpos e seguros para o combate de vírus e bactérias. Com bastante atenção aos produtos de limpeza mais recomendados para higienização de superfícies e de chão;
  • O hábito só adquirido por alguns durante a pandemia, em relação à higienização dos calçados, deve ser mantido. Antes de entrar em casa, o ideal é remover o máximo possível das sujidades. Ou seja, lama, poeira, terra e outras partículas que teimam em grudar nas solas;
  • Usar um borrifador para a limpeza de bolsas, malas, mochilas, sacolas, etc, além de prevenir contra os vírus, reduz muito o risco de outras infecções causadas por uma série de microrganismos. O mesmo vale para os produtos comprados em supermercados ou recebidos pelos serviços de delivery.
Notícia Anterior
Manutenção dos elevadores Abeel alerta síndicos sobre contratos firmados na pandemia
Próxima Notícia
Focos de dengue Morador se nega a ter casa vistoriada; vizinhos temem surto

Últimas Notícias

Menu
error: Conteúdo Protegido !!
X