Blog de Notícias

Documentos do condomínio: Morador questiona ex-síndica e caso acaba na delegacia

A ocorrência foi registrada como”recusa de dados sobre a própria identidade e subtração e inutilização de livro ou documento”

Um delegado da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) e uma ex-síndica do edifício Top Life, em Águas Claras, acabaram na delegacia após uma discussão de condomínio. O caso foi registrado na 21ª Delegacia de Polícia (Taguaringa Sul), na manhã desta quarta-feira (4/11).

Segundo o boletim de ocorrência, a PCDF foi chamada pelo delegado João Ataliba, morador do residencial, após a recusa de um funcionário do condomínio de apresentar seus dados pessoais ao policial, ou seja, de “se identificar”.

Ataliba disse que o homem, na companhia da ex-síndica do condomínio, Tainá Matos, estava devolvendo documentos, balancetes, que haviam sido supostamente subtraídos da administração condominial durante a noite do último sábado (31/10).

Segundo a denúncia, na ocasião, foram retirados do local diversos objetos, a mando da antiga gestão. O Metrópoles teve acesso aos vídeos que mostram a movimentação na data e horário mencionados pelo delegado.

A ocorrência foi registrada como “recusa de dados sobre a própria identidade e subtração e inutilização de livro ou documento”.

Quando o policial solicitou o documento de identificação do funcionário, na manhã desta quarta (4/11), a ex-síndica interveio e disse para ele apresentar somente o crachá, tendo o trabalhador afirmado que o crachá se encontrava em seu carro, deixando de se identificar.

Ainda de acordo com a ocorrência, o delegado perguntou de onde estavam vindo os livros. Por sua vez, a mulher informou que estavam na administração do condomínio Palm Bach. O policial questionou se os envolvidos queriam resolver a situação do condomínio na delegacia e solicitou apoio da 21ª DP para o esclarecimento dos fatos.

Ouvida pelo Metrópoles, Tainá alegou que retirou os documentos do condomínio para escanear. Ela afirmou que os moradores foram informados do procedimento. A ex-síndica também alegou que sofre perseguições por parte do delegado e o acusou de fazer “investigações clandestinas”.

Segundo a mulher, há registros de ocorrência contra ele na corregedoria da PCDF, Delegacia da Mulher (Deam) e Ministério Público. A ex-gestora alegou que tomou as medidas cabíveis e que, por medo de ameaças, deixou de concorrer a um novo mandato nas eleições do condomínio.

O delegado, por sua vez, nega veementemente as acusações. Defende que não existe qualquer problema pessoal, mas que descobriu que documentos importantes desapareceram da administração como: balancetes, contratos, livros de ocorrência. Acrescentou que computadores foram formatados e que denúncias de supostas irregularidades já haviam sido feitas por grupos de moradores.

O policial também destaca que os documentos poderiam ser escaneados dentro do próprio edifício, como, segundo ele, já foi feito em outras situações.

Segundo a Polícia Civil do Distrito Federal, a gestão da síndica está sob investigação.

Fonte: https://www.metropoles.com

Notícia Anterior
Individualização de água Sabesp libera novas opções para instalação de hidrômetros
Próxima Notícia
Moradores de condomínio em Uberlândia fazem reparos após rajada de vento destelhar casas

Últimas Notícias

Menu
error: Conteúdo Protegido !!
X