Blog de Notícias

Entenda as regras para criar animais exóticos em condomínios

Metro World News ouviu o presidente de associação de condomínios para esclarecer dúvidas mais comuns; confira

Animais domésticos definitivamente caíram no gosto do brasileiro. Segundo a Abinpet (Associação Brasileira da Indústria de Produtos Para Animais de Estimação), o País tem a segunda maior população de cães, gatos e aves em todo o mundo e é o terceiro maior em população total de animais de estimação. O total é de 139,3 milhões de pets. Cachorros e gatos são a preferência disparada, porém há quem considere membros da família cobras, aranhas ou lagartos. Pode parecer estranhos, mas quem manda o no coração, afinal?

O problema é que esse amor muitas vezes não é compreendido por todos. Em setembro deste ano, o portal de notícias G1 noticiou o caso de um casal que precisou retirar Salazar, sua jiboia arco-íris de estimação, do apartamento em que vivia após denúncia de vizinhos em Cuiabá, no Mato Grosso.

Os donos do animais postaram uma foto nas redes sociais e marcaram o condomínio na localização. O post ficou no ar por alguns minutos, o suficiente para causar pânico entre os moradores. O caso foi parar na Justiça.

O Metro World News ouviu José Roberto Graiche Júnior, presidente da AABIC (Associação das Administradoras de Bens Imóveis e Condomínios de São Paulo), para entender as regras condominiais envolvendo animais exóticos. Confira:

Moradores de condomínios podem criar animais exóticos em seus apartamentos?

Podem, desde que sigam a legislação própria para aquisição e criação desses animais e que, obviamente, não representem afronta ao direito dos conviventes (sossego, saúde e segurança). O ideal para animais exóticos é que o condômino possua certificado de origem. Fato é que animais silvestres, quando adquiridos em criadouros como esse, podem ser mantidos domesticamente. Esses animais, se soltos na natureza, não sobrevivem, porque já nasceram em criadouro, que não é clandestino e, portanto, possuem, inclusive, alguma identificação do Ibama, possivelmente uma anilha.

Em caso de dúvidas, o síndico poderá se informar junto ao Ibama ou ligar na polícia ambiental. Caso a manutenção do animal cause algum incômodo (barulho, por exemplo), a situação deve ser tratada como qualquer outra, por meio de advertência e multa, por exemplo.

As regras para criar um animais exótico podem variar de acordo com cada condomínio, dependendo da convenção?

A convenção sempre deve ser objeto de estudo dos condôminos e pode até ser que haja alguma regra específica para aquele condomínio, em específico. No entanto, a convenção também não pode afrontar o direito de propriedade. Ou seja, se o animal está legalmente regular e não provoca risco ou incômodo aos conviventes, a proibição não é indicada, já que judicialmente o dono do animal tem chances de obter autorização para criá-lo.

Que cuidados extras os moradores que criam animais exóticos devem ter na hora, por exemplo, de transportá-los em áreas comuns?

Esse estudo e investimento deve ser feito pelo dono do animal, que, inclusive, fica absolutamente responsável por quaisquer danos que o animal venha a causar, independentemente das medidas tomadas, do cuidado e da falta de intenção de, por exemplo, machucar alguém.

Vizinhos podem se incomodar e levar o assunto à assembleia?

Qualquer assunto pode ser debatido em Assembleia, junto à coletividade. A convocação da Assembleia é feita pelo síndico ou por um quarto dos condôminos, na forma da lei. No entanto, é necessário compreender que caso a decisão assemblear venha a ferir o direito de alguém (a exemplo do direito de propriedade), então a parte que se sentir lesada tem todo o direito de buscar solução junto ao Judiciário, como indenização.

Nesse caso, como o síndico deve agir?

O síndico deve, inicialmente, conversar com o dono do animal, solicitar a documentação pertinente. Se não houver cooperação, recomenda-se notificar o responsável e pedir a apresentação das certificações.

Em caso de incômodos provocados comprovadamente pelo animal, o síndico deve agir como em qualquer outro caso, ou seja, juntando as provas e encaminhando advertência ou multa, se houver reincidência. Caso em esfera extrajudicial os assuntos não sejam resolvidos, o caminho judicial é o indicado para obtenção da solução.

Regras para aquisição

Adotar ou comprar cachorros e gatos é simples, mas para adquirir animais ainda não convencionais é preciso atenção.

“É preciso verificar se o criador comercial ou o estabelecimento comercial no qual você pretende adquirir o animal possui autorização. Para isso, o estabelecimento precisa apresentar um documento chamado ‘Autorização de Uso e Manejo’, que deve conter o nome da espécie que você deseja comprar”, explica a Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo.

Além disso, o animal deve estar devidamente marcado com anilha ou microchip. Por fim, é obrigatório que o estabelecimento forneça Nota Fiscal de venda do animal com, no mínimo, as seguintes informações: Nome popular e científico do animal adquirido, data de nascimento, sexo do indivíduo tipo de marcação e o número da mesma.

Notícia Anterior
Condomínio responde por funcionário que bate carro de morador fora do expediente
Próxima Notícia
Áreas comuns em desuso podem ganhar cara nova nos condomínios

Últimas Notícias

Menu
error: Conteúdo Protegido !!
X