Blog de Notícias

TJ do Rio nega pedido de danos morais de condôminos

Motivo foi a suspensão de obra na unidade residencial durante a pandemia

A 21a Vara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro julgou improcedentes os pedidos de dano moral e material de condôminos que tiveram as obras suspensas em seu apartamento durante a pandemia pelo condomínio onde moram. A decisão foi publicada nesta terça-feira, no Diário Oficial do Estado.

Para o advogado André Luiz Junqueira, sócio do escritório Coelho, Junqueira e Roque Advogados, responsável pela defesa do condomínio, a decisão é importante pois dá legitimidade e garante que o síndico ainda pode interromper obras durante a pandemia em condomínios edilícios por conta da Lei Estadual 8.808.

“Além disso, também pode servir como precedente, mas por analogia, em outros estados”, ressalta ele.

De acordo com a ação, os autores iniciaram a obra em janeiro de 2020, sendo suspensa em março de 2020, em razão da pandemia por Covid-19. Tal medida foi tomada pelo condomínio em caráter temporário visando o controle da propagação da doença. E foi respaldada pela Lei Estadual nº 8.808, de 08 de maio de 2020, que autorizou os síndicos a proibir temporariamente a realização de obras e/ou reparos não emergenciais, seja na área comum ou em cada unidade individualmente, enquanto perdurar o plano de contingenciamento para o combate ao Novo Coronavírus.

A advogada Elisa Cabral, também sócia do escritório Coelho, Junqueira e Roque Advogados, explica que, em abril de 2020, os moradores ingressaram com demanda judicial para a realização da obra e reparação por danos materiais e morais.

“Através de decisão em razão da interposição de Agravo de Instrumento, foi determinado que o condomínio permitisse o acesso dos profissionais para a conclusão da obra. Porém, os danos materiais e morais foram julgados improcedentes pela 1ª instância, tendo o TJ/RJ confirmado a decisão, pois entendeu que os atos de gestão do condomínio foram baseados nas recomendações da OMS e da Legislação vigente, visando o controle da disseminação do vírus, sendo a Pandemia situação excepcional que impõe medidas que se sobrepõe aos interesses individuais”, explica a advogada.

Portanto, “os atos do Síndico se encontram respaldados pela existência da pandemia (força maior), na legislação vigente e na jurisprudência acerca dessa situação, não havendo ilicitude em seu agir, o que afasta a sua responsabilidade civil”, concluiu a decisão.

“Ficamos felizes com o entendimento da desembargadora relatora, que foi acompanhada pelos demais da Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, de que a situação de pandemia é força maior e que permite alguns poderes extraordinários aos síndicos”, diz Junqueira.

Para a advogada Elisa, a importância desta decisão é a “necessidade da ponderação dos interesses na hipótese de conflito dos direitos dos condôminos, sendo certo que deve ser analisado cada caso concreto, pois os elementos podem acarretar conclusões distintas”.

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA

Notícia Anterior
Condomínios devem discutir locação por app em assembleia
Próxima Notícia
Mulher morre após cair do 15º andar de prédio durante festa em Goiânia

Últimas Notícias

Previsão do Tempo

Menu
error: Conteúdo Protegido !!
X