Blog de Notícias

Prédios contratam empresas de coleta por conta da greve no Rio

Greve dos garis entra na segunda semana e catadores também se beneficiam da situação

Com a greve dos garis , que entrou na segunda semana, prédios e condomínios já contratam empresas para a coleta particular de detritos. No Maracanã, o Ville Rondon, com 228 apartamentos, precisou recorrer ao serviço privado.

Na última sexta-feira, o caminhão de uma firma recolheu no endereço mais de cinco toneladas de lixo acumulado, que provocava mau cheiro e causava desconforto aos moradores. De lá para cá, os sacos voltaram a se avolumar, e o condomínio avalia chamar a empresa de novo, já que a paralisação na Comlurb foi reiniciada anteontem após uma pequena suspensão de três dias, devido aos efeitos das chuvas.

“Foi uma medida preventiva (a contratação da coleta privada). Tive que manter o recolhimento do lixo na sexta-feira mesmo com os garis tendo feito aquele trabalho de exceção, porque o serviço já estava pago. Ontem (segunda-feira), aguardei para ver o que ia acontecer em relação ao retorno dos garis, e agora estou pensando no que vou fazer. Com a indefinição da greve, a gente não pode deixar o acúmulo acontecer”, disse o síndico do condomínio do Maracanã, Marcelo Crisóstomo, que escolheu a empresa após uma cotação de preços.

Lá, a última vez que os caminhões da Comlurb fizeram a coleta foi no dia 28 de março. De acordo com o síndico, há mais acúmulo de lixo nos finais de semana.

“A greve causa um transtorno muito grande. Nem eu, antes de ser síndico, tinha noção do quanto a gente produz de lixo. E olha que esse é um condomínio de médio porte”, ressalta Crisóstomo, que se vê obrigado a manter os detritos em contêineres na garagem, gerando mau cheiro e chorume.

Além das empresas privadas, os catadores de material para reciclagem se beneficiam no meio da greve. Na Cooperativa Transvida, na Vila Cruzeiro, o volume retirado diretamente das lixeiras multiplicou nos últimos dias. O catador que antes chegava com apenas um saco cheio agora consegue levar até quatro.

“A greve dos garis fez aumentar a quantidade dos resíduos. Sem contar que, antes da paralisação, os garis passavam antes da gente, recolhiam os recicláveis e levavam o material para cooperativas credenciadas da Comlurb”, afirmou Ilaci de Oliveira, presidente da Cooperativa Transvida.

Ação indenizatória

Na Tijuca, o morador de um prédio entregou diretamente para um catador na calçada seu lixo reciclável acumulado em casa. Mas o trabalho dos catadores está longe de dar conta da sujeira que se espalha pelas ruas, principalmente nas zonas Norte e Oeste.

Roberto Bigler, diretor jurídico da Associação Brasileira das Administradoras de Imóveis (Abadi), diz que a greve fez a demanda pela coleta privada aumentar.

“O processo interno dos prédios é de recolher o lixo dos moradores e colocar na porta para que a Comlurb faça a retirada. Quando isso não acontece, há um acúmulo de lixo grande na rua, causando odores, e os edifícios acabam recorrendo à iniciativa privada”, comenta Bigler. “Mesmo antes da greve, já havia prédios que não contavam com o tratamento da via pública adequado e que recorriam a esse tipo de coleta. É algo comum em alguns pontos do Rio, mas que cresceu em função da greve.”

O especialista em direito imobiliário Daniel Blanck afirma que, para os grandes condomínios, a contratação de empresas tem sido uma saída. Por outro lado, ele destaca que quem se sentir prejudicado pode procurar a Justiça:

“Aqueles que vierem a ser prejudicados pela greve possuem legitimidade para propor ação indenizatória em face do município.”

O Sindicato dos Empregados de Empresas de Asseio e Conservação do Município do Rio (Siemaco-Rio) recorreu, na sexta, da decisão do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), que concedeu liminar considerando a greve abusiva, estabelecendo multa diária de R$ 200 mil contra o sindicato.

Ontem, o vice-presidente do Siemaco, Gilberto Alencar, divulgou vídeo dizendo que a categoria está disposta a negociar, mas que a Comlurb estaria inflexível. A categoria pede, entre outros pontos, reajuste de 25% nos salários e no tíquete alimentação. A Comlurb informou que atua com um plano de contingência e que contratou mão de obra temporária terceirizada.

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA

Notícia Anterior
Moradores de Perdizes reclamam de barulho de obras do Metrô
Próxima Notícia
Sobrecarga elétrica em condomínios pode ser evitada com manutenção preventiva

Últimas Notícias

Previsão do Tempo

Menu
error: Conteúdo Protegido !!
X