Blog de Notícias

Condomínio será ressarcido pela Sabesp por 10 anos

Juíza da 3ª Vara Cível deu ganho de causa a condomínio residencial com 345 unidades

A juíza Mariah Calixto Sampaio Marchetti, da 3ª Vara Cível de Praia Grande, deu ganho de causa a um condomínio residencial com 345 unidades, com apenas um hidrômetro, contra a Sabesp, pelo fato de a cobrança realizada atualmente ser calculada por unidade, não pelo consumo real do edifício.

Na defesa do Condomínio Edifício Malibu, o advogado Rodrigo Vallejo Marsaioli argumentou que o valor cobrado pela concessionária de água, baseado na tarifa mínima por unidade, acabava sendo o dobro do que realmente o prédio consome por mês, na maioria dos meses do ano.

Em sua decisão, a magistrada ressalta:

“É pacífico o entendimento (de) que a cobrança pelo fornecimento de água ao condomínio em que o consumo total de água é medido por único hidrômetro deve se dar pelo consumo real aferido, e não pela multiplicação da tarifa mínima pelo número de economias, como efetuado”.

Devolução

Na sentença, a juíza ainda definiu que há obrigação da Sabesp em devolver o valor pago de forma majorada, referente aos dez últimos anos.

“Acolho, ainda, o pedido de devolução ao autor das quantias pagas a maior resultante da diferença entre a tarifa devida pelo critério ora determinado e os valores efetivamente pagos pelo condomínio autor, devendo ser observado o prazo de prescrição do Artigo 205 do Código Civil, ou seja, decenal, que deverá ser apurado em liquidação de sentença”, escreveu.

Sabesp

Em nota, a Sabesp alega que cumpre o que determina a Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado (Arsesp), que estabelece os valores a serem cobrados. A tarifa mínima é estabelecida no Decreto Estadual 41.446, de 1996, que autoriza sua cobrança.

Em relação ao condomínio de Praia Grande, a Sabesp esclarece que recorrerá da decisão.

“Vale esclarecer que, em casos de edifícios sem medição individualizada, a apuração de consumo é realizada no hidrômetro, levando em consideração as economias cadastradas (ou seja, o número de apartamentos informados através de documentação)”, diz a nota.

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA

Notícia Anterior
Condomínio não tem poder para impedir uso de área pública
Próxima Notícia
Apartamento tem princípio de incêndio causado por raios de sol

Últimas Notícias

Previsão do Tempo

Menu
error: Conteúdo Protegido !!
X